PRERROGATIVAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA!

MATO GROSSO

Newsletter


Ir para opção de Cancelamento

Agenda de Eventos

Outubro de 2018 | Ver mais
D S T Q Q S S
# 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 # # #

Notícia | mais notícias

Câmara reprova projeto de lei que instituiria taxa de 20% sobre honorários de sucumbência de procuradores

11/10/2018 16:00 | Cáceres
 
 
    A Câmara Municipal de Cáceres reprovou o projeto de Lei Complementar 04/2018 do Executivo que instituiria a taxa de 20% sobre honorários de sucumbência recebidos pelos procuradores municipais em favor da prefeitura. Também previa que todos os débitos fiscais fossem ajuizados, o que oneraria contribuintes em débitos com custas judiciais e de distribuição. A votação aconteceu na última segunda-feira (8).
 
    De acordo com o vereador Cézare Pastorello, o projeto apresentou-se de forma ilegal, tendo em vista que o pagamento se destinaria aos cofres municipais. “O projeto apresentado pelo Executivo é uma verdadeira aberração. Pretendia instituir um rateio de 20% sobre os honorários de sucumbência, destinando à prefeitura, o que é totalmente ilegal, e ainda obrigar os procuradores a ajuizarem todos os débitos que entrassem na dívida ativa, pois os honorários só seriam devidos a partir daí”, argumentou.
 
    O parlamentar também comentou que, podendo o juízo arbitrar os honorários em até 20%, somado às custas, poderia representar de 50% até 100% do débito. “Se o cidadão cacerense já está em débito com a prefeitura, aumentar desse jeito o valor para pagamento não ajuda em nada a diminuir a inadimplência”.
 
    Os procuradores municipais, advogados públicos, são amparados pelo Estatuto da Advocacia da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Conforme um membro da Procuradoria Municipal, o apoio da OAB-MT para defesa da causa dos procuradores, participando da audiência pública na Câmara sobre o assunto, foi essencial para a conquista. A defesa das prerrogativas dos advogados públicos foi a base da argumentação, sobretudo porque a titularidade dos honorários sucumbenciais é fixada pelo Código do Processo Civil como dos advogados, inclusive os públicos.
 
    A atuação do presidente da Subseção de Cáceres da OAB, Eduardo Sortica, e do conselheiro estadual Fábio Sá foi destacada pelo membro do órgão municipal na defesa da causa.
 
 
Assessoria de Imprensa OAB-MT
imprensaoabmt@gmail.com
(65) 3613-0929
www.twitter.com.br/oabmt
www.facebook.com.br/oabmatogrosso

Facebook Facebook Messenger Google+ LinkedIn Telegram Twitter WhatsApp