PRERROGATIVAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA!

MATO GROSSO

Newsletter


Ir para opção de Cancelamento

Agenda de Eventos

Dezembro de 2018 | Ver mais
D S T Q Q S S
# # # # # # 1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31 # # # # #

Notícia | mais notícias

Advocacia e coordenador discutem funcionamento do Cejusc

27/09/2018 16:23 | 100 Dias
Foto da Notícia: Advocacia e coordenador discutem funcionamento do Cejusc

Foto: Luiza Zanella

 img   Com cerca de 100 dias de funcionamento, o Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania dos Juizados Especiais Cíveis da Capital (Cejusc) foi alvo de uma avaliação conjunta da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT) e o coordenador, juiz Hildebrando da Costa Marques, na tarde desta terça-feira (25).

    O encontro aberto a toda advocacia, especialmente aos profissionais que atuam como mais frequência no âmbito dos juizados especiais, permitiu a troca de informações e que advogadas e advogados pudessem discutir diretamente com o coordenador do Cejusc as adversidades mais constantes no dia a dia de quem trabalha na nova unidade.

    Entre as principais demandas estruturais encaminhadas previamente pela advocacia estão a dificuldade de acesso ao local e a falta de segurança nos arredores, inclusive com vários registros de furtos e arrombamentos aos veículos.

    De acordo com o juiz Hildebrando da Costa Marques, uma das primeiras preocupações para a instalação do Cejusc foi garantir a segurança dos usuários. Assim, o primeiro ato foi encaminhar ofício para a Polícia Militar solicitando a presença de um policial nas dependências do órgão, bem como ronda policial nos arredores. O pedido chegou a ser reiterado pela OAB-MT mas, segundo o magistrado, até hoje não foi atendido.

    Também foi bastante questionado o procedimento para a confecção das atas de audiência, buscando uma padronização que atenda os anseios das partes sem ferir o princípio da confidencialidade, assim como a realização de requerimentos durante as audiências de conciliação.

    Diante dos impasses relatados, o coordenador explicou que os requerimentos são prerrogativas da advocacia e podem ser feitos, no entanto, os profissionais devem ter bom senso para fazê-lo somente em casos de extrema necessidade, de forma a não inviabilizar o andamento das audiências que cumprem prazos rigorosos.

    “Os requerimentos podem ser feitos em até 48 horas. Se não houver prejuízo latente, não há porque fazê-lo na hora. Esta é nossa orientação”, disse.

    De acordo com ele, nenhum servidor do Cejusc tem orientação para ferir prerrogativa profissional, mas todos estão orientados a pedir esta colaboração.

  img  O magistrado ainda ponderou que o princípio da confidencialidade é essencial, inclusive os acordos propostos não podem, em hipótese nenhuma, constar nas atas, justamente em atenção a esse princípio. No entanto, ponderou que para resguardar o trabalho dos advogados e advogadas é perfeitamente possível que se conste na ata se foi apresentada ou não a proposta, desde que não se especifique seu teor.

    “Respeitados e equilibrados os princípios fundamentais, a advocacia é uma grande parceira do Judiciário e estamos aqui para isso”, destacou o presidente da OAB-MT, Leonardo Campos.

    Conforme o presidente, a reunião foi bastante proveitosa, permitindo a interação entre advocacia e o magistrado para uma avaliação conjunta do funcionamento do Cejusc. Hildebrando da Costa Marques também pode explicar que a unidade ainda está em sua fase inicial de instalação e apresentar o balanço do que tem sido feito.

    Leonardo Campos ainda ressaltou que a advocacia deve continuar encaminhando seus apontamentos à OAB-MT, inclusive cópia de boletins de ocorrências de situações ocorridas na região para que seja reiterado o pedido de segurança no local.

Assessoria de Imprensa OAB-MT
imprensaoabmt@gmail.com
(65) 3613-0929
www.twitter.com.br/oabmt
www.facebook.com.br/oabmatogrosso


Facebook Facebook Messenger Google+ LinkedIn Telegram Twitter WhatsApp